Please reload

Posts Recentes

GAJOP PUBLICA NOTA DE INDIGNAÇÃO E PESAR

August 8, 2020

1/10
Please reload

Posts Em Destaque

A Lei Áurea considerou o que aconteceria após o dia 13 de Maio de 1888?

May 13, 2020

 

Por Angélica Alves*

 

No dia 13 de maio “celebra-se” a assinatura da Lei Áurea no ano de 1888, que, por sua vez, decretou a abolição da escravatura no Brasil. Assinada pela então Princesa Isabel, na época sucessora ao trono do país, o fato histórico vem sendo narrado, desde então, sustentado principalmente no entendimento de que a lei foi o resultado de uma atitude benevolente por parte da princesa para com os escravos. 
 

Ocorre que o fim do trabalho escravo, no Brasil, foi fruto de muitas lutas coletivas e individuais das pessoas negras escravizadas que, há muito, já resistiam e se rebelavam ao trabalho escravo. Cabe lembrar que o Brasil foi o último país das Américas a abolir oficialmente a escravidão, dado que já aponta para uma resistência histórica ao processo cujas repercussões são vivenciadas nos dias atuais. 
 

A Lei Áurea não considerou o que sucederia ao dia 13 de maio de 1888. Os negros foram libertos dos cativeiros e aprisionados na total ausência de políticas voltadas para o acesso à moradia, alimentação, saúde e educação. Em 2020, após 132 anos da abolição da escravatura, a realidade da população negra no país permanece muito próxima daquela de 1888. Que liberdade é essa que estima que 75% dos brasileiros que vivem em situação de extrema pobreza são pessoas negras? Que mais de 60% dos desempregados são pessoas negras? Que mais de 65% da população carcerária são negros? Que 4 em cada 19 jovens negros não conseguem concluir o Ensino Médio? Que 75% das pessoas mortas durante intervenções policiais são negras? 
 

Nesse 13 de maio de 2020, em pleno cenário de pandemia em decorrência do Covid-19, tais reflexões tornam-se mais do que importantes, elas são urgentes. Por todo o percurso histórico, são as populações negras, periféricas, quilombolas que se mostram mais afetada pelo Coronavírus. No contexto pré-pandemia já era essa população que mais padecia sem o acesso aos direitos sociais básicos e não será diferente agora. É preciso redobrar todos os esforços para proteger nossa história, nossa ancestralidade e nosso povo. E reafirmar a nossa resistência e aliança enquanto povo negro.

 

*Angélica Alves é psicóloga, mestre em Direitos Humanos pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e compõe a equipe do Programa Direitos da Criança e do Adolescente, no Centro Dom Helder Camara de Estudos e Ação Social (Cendhec). Atua diretamente no projeto Fortalecimento do Sistema de Garantia de Direitos, que tem como público comunidades quilombolas no Sertão pernambucano. 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga