• Cendhec

Os laços entre Cendhec e Vila Independência, ocupação em Nova Descoberta


“Conheci o Centro Dom Helder Camara de Estudos e Ação Social por meio do convite de amigos que faziam parte da formação do Programa Direito da Criança e do Adolescente. Através deles, tive a oportunidade de participar, durante 4 anos, dos cursos de formação do Cendhec, sendo eles Direitos da Criança e do Adolescente, curso de extensão Juventude no Espaço Urbano e o Direito à Cidade”, relembra Isabelle Mikelle, 20 anos, moradora de Nova Descoberta e estudante de Recursos Humanos. “Sempre tive um laço afetivo muito grande com o Cendhec, por todo carinho que recebi, por toda equipe e por todo conhecimento trocado. Na minha visão, o Cendhec é uma instituição de extrema importância para a nossa sociedade, pois vem com o papel de defender os Direitos Humanos e passar todo conhecimento necessário para que lutemos pela garantia dos mesmos. Depois de tudo que aprendi, com uma visão mais ampla, passo os ensinamentos para meus amigos e familiares, afinal, como diz Francis Bacon, “conhecimento é poder”.

Foi esta confiança no Cendhec e seus 31 anos de atuação em prol das crianças, adolescentes, moradoras e moradores de assentamentos, que fez Isabelle apresentar a organização sem fins lucrativos à Vila Independência, localizada em Nova Descoberta. Os laços afetivos, aos quais a jovem se referiu, agora se expandem para as 190 famílias residentes da ocupação, que resiste há 20 anos pelo Direito à Moradia. “Depois de conhecer toda história do Cendhec, e sabendo da situação da Vila independência, tinha total certeza que a instituição iria ajudar e direcionar a comunidade”, comenta Isabelle. “A parceria foi muito significativa para todos nós, pois vimos uma instituição empenhada a ajudar em todos os aspectos a Vila independência e hoje somos muito gratos por todo apoio dado.”




O Cendhec realizou, no fim do ano passado e começo de 2021, ações contra o abuso sexual, pela prevenção à Covid-19 e sobre o auxílio emergencial no local, além de fornecer cestas básicas neste período de crise sanitária em que o direito à alimentação está tão prejudicado. Conhecemos de perto suas moradias e histórias e, em junho, chegou o momento das mulheres e homens que compõe Comissão Política da Vila se aproximarem da sede da Ong, no bairro da Madalena, espaço que agora também é casa delas e deles.

Coordenadores e participantes dos Programas Direito à Cidade e Direitos da Criança e do Adolescente, a coordenação executiva e demais integrantes do Cendhec receberam os visitantes para uma reunião de apresentação dos trabalhos da ONG, que atua pela proteção de populações vulnerabilizadas. A ideia era mostrar algumas ações realizadas e ouvir as necessidades apresentadas pelo grupo, para que a partir disso fossem desenhados projetos de fortalecimento da Vila. Alguns dos assuntos debatidos foram a formalização de uma Associação dos Moradores, saneamento da ocupação e planejamento de oficinas com mulheres e crianças.






A conversa foi iniciada com a história de Dom Helder, o Dom da Paz que lutou pela garantia de direitos daqueles que eram oprimidos durante a Ditadura. "Paz se constrói com independência e autonomia, e independência vocês têm até no nome", disse Luis Emmanuel, coordenador do Programa Direito à Cidade. "Queríamos muito que vocês conhecessem nossa casa e o trabalho que fazemos nela. Temos muitos planos para vocês, mas gostaríamos de saber quais são os seus planos. O que vocês esperam do Cendhec", concluiu.

Anderson Gugu, o líder comunitário da Vila, vê a união com o Cendhec com alegria. "O Cendhec hoje é uma família de Vila Independência. Sabemos que a parceria com vocês vai melhorar e muito nossa qualidade de vida, porque podemos não ter conhecimento jurídico, mas temos força e vontade de aprender com vocês", disse durante a reunião. "O Cendhec faz, e faz bem, o que os gestores deveriam fazer", comenta Rosângela, moradora da Vila e integrante da Comissão. "Desejo que venham ainda mais projetos para mulheres, crianças e adolescentes, estaremos sempre de portas abertas".


Para colocar na agenda

O desejo de realizar ações e estreitar parcerias será realizado ainda este mês. No último sábado, dia 10, celebramos o aniversário de 20 anos do Estatuto da Cidade do Recife e nesta terça-feira, dia 13, estão demarcados os 31 anos da assinatura do Estatuto da Criança e do Adolescente. Afim de solenizar estas duas importantes datas, o Centro Dom Helder Camara de Estudos e Ação Social (Cendhec), por meio dos programas Direito à Cidade e Direitos da Criança e do Adolescente, realiza o Mês dos Estatutos, que consiste em uma série de ações voltadas para o fortalecimento da cidadania. Até o dia 31 de julho realizaremos o lançamento de livros, oficinas, uma exposição e publicaremos matérias sobre as pautas. Iniciativas em Vila Independência estão previstas na programação.




Confira:

* 14 de Julho: Identidade de gênero e Educação: pela afirmação da diversidade de existências (Site do Cendhec)

* 15 de Julho: Oficina com Mulheres e Crianças da ocupação Vila Independência

* 16 de Julho: Matéria sobre os Estatutos e ações do Cendhec (Site do Cendhec)



* 17 de Julho: Conheça o Projeto Teia de Proteção



* 26 de Julho: Lançamento do site Afrontosas



* 31 de Julho: Exposição em Vila Independência

Ajuda humanitária


Chegando aos 32 anos de atuação, o Cendhec nunca havia feito ações de distribuição de alimento, mas com o avanço da pandemia e da fome se fez necessário buscar doações. Desde o ano passado, 2020, o Cendhec vem doando alimentos, kits de higiene e limpeza, material escolar e para oficinas com crianças e adolescentes das comunidades atendidas pelo centro, entre elas está Vila Independência.




O Cendhec

O Centro Dom Helder Camara de Estudos e Ação Social, organização não governamental sem fins lucrativos, tem por objetivo defender e promover direitos às crianças, adolescentes, moradoras e moradores de assentamentos populares e grupos socialmente excluídos. Na vanguarda dos direitos humanos e inspirados pelos ensinamentos de Dom Helder Camara, líder que dedicou sua vida à proteção de pessoas vulnerabilizadas, principalmente durante regimes totalitários, temos por missão contribuir para a transformação social, rumo a uma sociedade democrática e popular, equitativa, que respeite as diversidades e sem violência. Para contribuir com as ações desse centro tão importante para os Direitos Humanos, faça uma doação:

Centro Dom Helder Camara de Estudos e Ação Social

Banco 237 – Bradesco S.A.

Agência: 1230-0

Conta Corrente: 39630-3

Código Iban: BR86 6074 0123 0000 0396 303c 1

Código Swift: BBDEBRSPRCE

CNPJ. 24.417.305/0001-61

Posts Em Destaque
Posts Recentes